Babás: contrato e visto para viagens internacionais

Saiba o que a nossa experiência nos ensinou sobre esse assunto

Acho muito importante compartilhar também experiências que são negativas para que vocês, meus leitores, não passem pela mesma situação que eu e possam se organizar e se prevenirem.

Passei as férias de Julho desse ano na Europa. A  primeira parada foi na França, mas como iríamos passar por Londres antes de voltarmos para o Brasil decidimos passar uns dias lá.

Como dessa vez a viagem era longa, resolvi incluir a  Isa, que trabalha comigo desde que os gêmeos nasceram, para ir junto conosco. Aqui em casa todos temos passaportes Portugueses, ou seja geralmente a fila é menor por causa da comunidade europeia.

Após esperarmos pacientemente nossa chegada na Polícia da terra da rainha, onde estávamos nós cinco mais a babá Isa, o policial perguntou o que ela iria fazer lá. Dissemos que era uma amiga que estava viajando com a gente, mas ele não acreditou. Na hora alegou que a Isa era babá e que só entraria com um contrato/visto de trabalho já que estava indo trabalhar durante os 7 dias de viagem. Ou seja, ela teria que voltar por não ter um visto de trabalho e não entraria no País.

Explicamos tudo, apresentamos os documentos, passagem de volta, comprovante de hotel, cartão de crédito dela, mas não colou. O policial chamou o seu supervisor imediato que a convocou para uma sala, e o detalhe é que ela não fala uma palavra de inglês.

Nessa hora imagina o meu desespero???!!!! Estava de mãos atadas, sem poder fazer nada e sem poder estar com ela para dar uma assistência. As lágrimas das crianças começaram a escorrer, pois já começaram a imaginar que ela não poderia entrar.

Vale ressaltar que ela já tinha entrado em solo europeu naquela viagem, e inclusive já tinha estado em Londres há 6 anos, ou seja ou demos azar ou realmente eles estão ficando muito rígidos.

Após passarem mais de 30 minutos, o supervisor nos procura fazendo as mesmas perguntas que seu subordinado para saber se as respostas conferiam, e minha maior angústia era não saber onde ela estava nem poder vê –la.

Depois de esperar mais de 1 hora, eles voltam com as seguintes instruções: ela vai entrar no país, mas nunca mais poderá voltar se não tiver um contrato de trabalho, isto é, uma espécie de visto que precisa ser tirado no consulado da Inglaterra no Brasil informando todas as atividades que vai fazer, quantos dias vai ficar, qual salário vai receber etc.

O que mais me impressionou foi a frieza deles. Eles realmente não tem pena e deportam mesmo. Tivemos sorte!

Ao chegarmos no hotel ligamos para o consulado brasileiro em Londres e falamos o que tinha acontecido. Eles nos informaram que essa situação tem sido recorrente e que realmente as agências de turismo, ou as cias áreas não tem informado que para uma babá entrar na Europa, de uma forma geral precisa de visto de trabalho.

Já ouvi casos de brasileiros que na mesma situação, ao retornarem ao avião são escoltados até a poltrona como se fossem prisioneiros o que dá um tom de assédio moral explícito.

Isso não tem acontecido só na Inglaterra, em Paris também os policiais ficam na porta do avião e escolhem aleatoriamente algumas pessoas para fazerem vários questionamentos, principalmente nas estações onde partem os trens que ligam Paris/Londres.

O cenário é cada vez pior, visto que o número de imigrantes vem crescendo ao longo dos anos. Para não confundir, os países que não exigem visto na Europa para os turistas brasileiros são aqueles que fazem parte do tratado de Sheghen, que é um tratado Internacional da qual o Brasil faz parte. São eles: Áustria, Bélgica, República Tcheca, Dinamarca, Estônia, Finlândia, França, Alemanha, Grécia, Hungria, Islândia, Itália, Letônia, Liechtenstein, Lituânia, Luxemburgo, Malta, Holanda, Noruega, Polônia, Portugal, Eslovênia, Eslováquia, Espanha, Suécia e Suíça.

O tempo de permanência permitido em qualquer um desses países é de 90 dias, a partir do dia de ingresso na Europa. De qualquer forma mesmo não exigindo visto para os turistas alguns documentos são exigidos:

1) Passaporte com validade mínima de 3 ou 6 meses da data que vai deixar seu país. É importante  consultar a exigência dos meses de cada país, pois variam. Na Europa a maioria são 3 meses e nos Estados Unidos 6 meses.

2) Seguro viagem que vem com seguro saúde, já que esse serviço é gratuito e muito bom na maioria dos países. Eles querem se certificar de que o turista não está indo para utilizar dos serviços dedicado a população.

3) Passagem impressa de ida e volta com a duração que o acordo entre Países permite, ou seja no máximo 3 meses. Leve impressa para ficar mais claro para o agente que vai receber.

4) Comprovante da reserva da acomodação que precisa bater com a sua data de chegada e saída do país, pois eles estão encrencando mesmo e muitas vezes ligam para os estabelecimentos para confirmar a informação.

5) É preciso mostrar que o turista tem pelo menos 65 euros por dia para ficar durante aquele período. Esse pode ser mostrado através de dinheiro ou limite do cartão de crédito etc.

Munidos desses documentos acima citados, é só responder aos questionamentos calmamente, pois eles buscam saber tudo como profissão, lugares que vai visitar e o principal propósito da viagem.

E viajando com babás não arrisquem, tirem o visto para que sua viagem seja tranquila e não tenha que passar por situações como essa.

Boa Viagem!!!



Comentários