Conhecemos Cairo, a capital do Egito!

No destino da vez, nos superamos no exótico! Partiu Egito, mais especificamente o Cairo! Quem está lendo pode estar pensando: “Meu Deus. ela é doida mesmo!”. Pode ter certeza que com todo o seu exotismo, esse destino entrou também para a nossa história!

Egito com crianças vale a pena?

Confesso que no início, quando começamos a planejar, nos passou pela cabeça se este seria mesmo um lugar tranquilo, o que nos levou a pensar em desistir algumas vezes. Mas, depois de muito pesquisar e ver a quantidade de surpresas que veríamos por lá, resolvemos arriscar.

Vencemos a barreira do medo e nos entregamos a uma aula de história a céu aberto, com suas construções de mais de 5.000 anos. Quem nunca sonhou em conhecer o universo das pirâmides, das múmias e da Cleópatra?

É um destino que recomendo que se vá entendendo pelo menos o básico sobre o lugar previamente. O livro “Pilar no Egito” ajuda um pouco, e para os adolescentes, “Crônicas de Kane”, de Rick Riordan é uma leitura que ajuda muito também.

Outro livro famoso, mas esse é mais para o adultos, é o romance “Morte no Nilo”, da famosa Agatha Cristhie. Assim, já chegamos mais ambientados ao saber que os faraós e nobres eram sepultados em pirâmides.

No Egito, os mesmos cuidados recomendados para adultos – como por exemplo, com a água – devem ser redobrados se for com crianças. Até para escovar os dentes a água precisa ser filtrada, porque a água de lá tem uma consistência muito forte que, quando ingerida, pode fazer mal.

Trânsito e comércio local

Ouvimos falar muitas coisas boas e ruins dessa cidade. Pessoalmente, uma das coisas que mais me marcou é o trânsito caótico que nunca vimos igual. Parece coisa de filme! Não sei como não vimos nenhum acidente diante da quantidade de pessoas arriscando a sorte ao desrespeitarem semáforos e cortarem o cruzamento tantas vezes.

Uma das coisas que me chamou muita atenção também foi a quantidade de profissões artesanais e mais informais, como engraxates, charreteiros etc.

Segundo o Banco Mundial, mais de 40% da população do Egito vive abaixo da linha da pobreza. É um país com muitos conflitos, alto desemprego e instabilidade política. Pelo fato de grande parte de seu território ser composta de desertos, o Egito não tem um solo apropriado para produzir. Por isso, sua economia é tão dependente do turismo.

Mini Guia de sobrevivência no Egito

1. Não é uma viagem para descansar. Vá com disposição para andar e passar praticamente o dia todo fora. A infra para os turistas não é das melhores, então recomendo levar sempre água e algum biscoito e fruta para não ficar na mão. Como eu disse acima, pelo fato de o trânsito ser muito caótico, se deslocar de um lugar para outro mesmo sendo perto pode demorar bastante.

2. Contrate um guia turístico. Um conselho que dou, independente se você vai ao Egito com crianças ou não, é fechar um guia com carro privativo e motorista. Assim, além de ter alguém contando tudo sobre a história por trás de cada ponto turístico, isso torna a jornada muito mais segura. Os guias já que conhecem todos os macetes e já deixam tudo organizado… além disso, tem sempre outros guias pedindo ou querendo negociar alguma coisa, e já estando com um guia por perto, inibimos mais essa aproximação. Quando for reservar hotel, peça para o hotel ou à agência de viagem um guia privativo. Evite convites para lojas “especiais” quando for abordado, não se intimide – os guias podem te dar todas as orientações que você precisar! Fechamos o serviço com a empresa Abercrombie, mas a Memphis Tour parece que atende muito bem também.

3. Não pergunte valores das coisas. Caso contrário, você pode acabar sendo perseguido por muitas quadras. Isso porque o ato de perguntar o preço é entendido pelos vendedores locais como uma abertura de negociação e compromisso de compra. E uma coisa é certa… Eles são muito insistentes! Aprendemos algumas para palavras para facilitar a comunicação com eles: “La Shukran” (lê-se “lá xucran”), que significa “Não, obrigada”. Caso seja muito teimoso e continuar querendo empurrar as coisas, diga “Hallas!”, que seria algo como um “chega!” ou “basta!”.

4. Comida apimentada: A culinária lá é muito apimentada, mesmo se você pedir “No, spice, please!”. Por isso, só comemos no hotel à noite, e durante o dia, almoçávamos em restaurantes recomendados pelo próprio hotel. Já nas reservas, pedíamos que a nossa comida não tivesse pimenta.

>> Deu vontade de conhecer esse destino juntinho com a família? A Nath e a Travel Place preparam um roteiro na medida certa para vocês fazerem a viagem dos sonhos!

Como chegar ao Cairo?

Não existe voo direto entre o Brasil e o Egito, mas o aeroporto de Cairo também é destino de voos vindos das principais capitais europeias, como foi o nosso caso. Voamos para o Cairo via Roma. As melhores opções de cia aéra são Emirates e Ethiopan Airlines. De uma cidade para outra dentro do Egito, a melhor forma é de avião e a cia aérea que faz esses trajetos internos é a Egypt Air.

DICA DA MAMÃE VIAJANTE

Antes de viajar, peça ao seu hotel para providenciar um transfer, pois ao chegar no aeroporto, do lado de fora é um verdadeiro caos de gente oferecendo serviço.Caso resolva pegar um táxi, não negocie taxas fixas que você pode acabar caindo na conversa deles (já que sabem que somos turistas, é preciso ficar de olho!)

Precisa de visto?

Nós, brasileiros, precisamos de visto para entrar no Egito, mas é possível tirar na chegada ao aeroporto. Antes da imigração, há um balcão onde se cola o selo no passaporte em minutos. Mas se quiser já chegar com o visto, ele também pode ser adquirido na embaixada ou no consulado do país aqui no Brasil.

Nós optamos por tirar o visto lá. Dependendo da agência que você tiver fechado, já te esperam na saída do embarque em um guichê escrito “VISA” antes de passar pela polícia, e isso ajuda muito. Como fechamos tudo com a Abercrombie & Kent, tivemos toda assistência necessária o tempo todo. Não esqueça também do certificado de vacinação internacional da febre amarela!

Como circular por Cairo

Com kids, não arriscaria recomendar de outra forma que não seja com transfers de operadoras especializadas. Mesmo porque o trânsito é caótico, então é bom estar com alguém que entenda como driblar o mesmo. Nem pense em alugar carro!

Moeda de Cairo

A moeda do Egito é a libra egípcia e, atualmente, ela equivale a R$0,23 (valor de maio de 2019). Ou seja, R$1 = 4,37 EGP. Leve dólares e euros e troque nas casas de câmbio ou nos hotéis.

Quando ir a Cairo

De setembro a maio, as temperaturas são mais amenas. Fomos no inverno, final do ano, que é o período mais cheio, mas achei tranquilo. Se for nesta época, não deixe de levar um casaco porque por incrível que pareça faz frio!

No entanto, o final da primavera, em maio, ainda tem temperaturas consideradas amenas para o Egito, entre 35ºC e 45ºC, e os locais de visitação não estão lotados.

No verão, é difícil passear: quase todo o dia bate os 50ºC. O período do Ramadã (um mês, com início e fim que variam de um ano a outro, mas geralmente entre maio e junho) pode ser um pouco complicado para o viajante independente.

Compras no Cairo

Não perca o tempo no Cairo fazendo compras em shopping. No próprio Khan Al-KHalili, você acha muita coisa.

Hospital no Cairo

Aquela dica que nunca imaginamos precisar, mas é importante saber onde levar as kids em caso de urgência. O hospital recomendado é o Cairo University Pediatric Hospital (CUSPH)

Agora que estamos todos com as informações a postos, preparem-se e apertem os cintos que vai começar uma viagem cheia de aventuras!



Comentários